MOBILE WEBTV LIVE BROADCAST BLOG SINCE 2006 : PUBLIC INFOS, WORKSHOPS & LECTURES [Asia, Brazil & Europe]

26set/080

POST RETROATIVO :: MAIO/2007 >> “questoes projetuais para uma WEBTV COLETIVA”

...

de lah para cah (um ano jah!) mta coisa mudou (tecnologias, leiloes-anatel, custos/beneficios individuais e/ou coletivos, politicas, surgimento de diversos portais-softwares online para transmissoes ao vivo e interatividade via webcams ao redor do mundo, chegada da tv digital no Brasil... etc etc etc)

aguardamos seus comentarios e dialogos pertinentes aa discussao aqui proposta.

versao2007

versao2007 :: manifeste-se da rua e de casa via webcam
apoio Secretaria de Cultura do Estado de São Paulo
PAC - Premio Novas Midias
programação de interface-interativa: Henrique Dias
produção executiva: Toni Domingues

-------- Original Message --------
Subject: questoes projetuais para uma WEBTV COLETIVA
Date: Wed, 23 May 2007 16:54:17 -0300
From: Milena Sz [BR]

...a ideia inicial era aplicar oficinas em diferentes pontos da cidade e país, convidando profissionais das áreas de tecnologia open source (desenvolvedores-programadores) e audiovisual a participarem, para a criação, junto a um público leigo*, de possíveis canais de tv-digitais publicos, entendendo aqui "tv-digital" como uma webTV... ou seja, o espectador torna-se produtor, agente ativo não mais passivo. Mais do que uma interatividade, mas na qualidade de produção de seus próprios manifestos-programas audiovisuais para livre distribuição na rede ("espaço público de mentes coletivas"), e na possibilidade de que estas infra-estruturas de televisão na web sejam financiadas por instituições culturais e/ou educativas publicas e/ou privadas. (...)

Além de qq parte técnica open source a ser testada, tbem me interessa
discutirmos a parte conceitual-conteudo-ideologia, podemos?!

Este "movimento informal" de produção e distribuição de conteúdo público (aliado às questões adjacentes - ou tangenciais? - que permeiam
este "poder de transmissao do conteudo e conhecimento") visam tbem repensarmos o que são "concessões públicas" midiáticas, certo?!

Gostaria entao, se me permitem, compartilhar algumas questoes-indagacoes
aqui com vcs que vao existindo frente à criação de uma webtv coletiva, livre e publica
:

1. WEBTV X TV-DIGITAL
1.2. Não sou uma pesquisadora específica de tv-digital, mas tenho
algumas questões-indagações (de pessoa leiga) quanto a
realização-entrada de uma tv-digital em nosso país:
(...sinta-se aa vontade para me corrigir qto a erros "tecnoconceituais"
elaborados-apresentados abaixo, okay!?)

1. De quanto é o sinal - qualidade - aqui proposto (tv digital)? Qual o valor desta transmissão e seu custo? (relacionado - em contrapartida - ao sinal de transmissão de dados na internet; estes custos e qualidades verificamos bem em virtude das transmissoes ao vivo junto ao projeto "MANIFESTE-SE - mobile webtv live broadcast" (2005/07) :: qq um pode fazer a sua propria webtv!...)
2. Quem paga por isto? (governo, empresas e/ou público-consumidor?)
3. Quais são os fatores ... envolvidos na escolha de um sistema digital no Brasil?
4. Quem ganha com a criação de todo este novo sistema de televisão (distribuição de informação) digital?
5. Permitir a criação de novos sistemas para uma possível tv digital (propagandeamente interativa) é (torna-se) vantajoso para quem?

...com um sinal de banda ampliado, qq cidadao teria acesso a conteúdos - canais diversificados e também de acesso a qq cidadao (o receptor torna-se emissor). Entao temos aqui uma via de mao-dupla no 'bom' sentido (desenho anexo). A linha amarela é a questão de produtor-agente ativo.
Qualquer pessoa/ grupo é capaz de fazer seu próprio canal de tv.

1.3. Quem ganha com a criação de webtvs!?
(por pesquisas e experiências projetuais destes últimos anos, de dois anos para cá com certeza todos os itens abaixo estao, a cada dia, mais acessíveis ao usuário comum/ leigo....)

a. servidores de streaming
b. provedores
c. hospedagem
d. bandas-empresas de transmissão de dados
e. domínio-nome

A quem pertencem estas empresas-sistemas?
(vou começar aqui pelo item 'a')
Microsoft ("livre" - Brasil) >> funcionamento MULTCAST
Apple ("livre" - Brasil) >> funcionamento UNICAST
Software Livre (governoBR/RNP ?) >> funcionamento MID-CAST [ateh 2007; jah a partir do Campus Party-Bienal 2008, Sergio Amadeu informou aa equipe do manifesto21 a nova realidade dos sistemas open source de transmissao de audiovisual no Brasil. desde entao nao tivemos oportunidade de testa-la p/ transmissoes...]

a questão do "funcionamento" é imprescindível para a criação de uma webTV. O funcionamento deve ser MULTICAST exponencialmente calculado!
(...o "livre" compreendido aqui como: "pagou é livre, pode usar"...)

1.4. Interatividade >> programação de interfaces online.
questao-duvida: o desenvolvimento em PD funciona(ria) - leve e sem bugs - como uma programação em FLASH na web!?

2. temos então a velha dicotomia: GOVERNO X NEO-LIBERALISMO ("consumo, logo existo. qto valho ou eh por kilo?"), e a partir desta dicotomia duas questões são elaboradas:
I. Qual o preço da liberdade?
II. Qual o PLANO de governo que tem sido (está sendo) adotado?

3. AUDIO-VISUAL RETHORICS:
3.1 experimentações de linguagem audiovisual (montagem, estética, timing
etc);
Uma manifestação para ser mediacast (broadcast online) necessita ser pensada-elaborada para este meio!, confere!?

3.2 Dois pontos; interface e linguagem.
Voltamos então à questão "TECNOCONCEITUAL" >> o ao vivo compreendido não somente como uma técnica, mas como uma transmissão de conteúdo, experimentos q venho chamando de "retórica audiovisual" (ver: "ComunicaCidade: a educação através da arte-comunicação", TGI-FAUUSP-2003), onde o participante-público possa tornar-se também produtor da mensagem e do meio.

4. Criação de interfaces de participação pública junto à Rede;
..imagino que venha então à cabeça de todos as atuais vitrines de produção midiática como o Youtube, Myspace entre outros videoblogs, blogs etc. A quem pertencem estes sistemas? Entra então a questão da vigilância e controle, ou seja, PODER.

Caímos novamente na questão do "poder de transmissão de conteúdo e conhecimento", então volto-lhes a perguntar: estas são meras questões adjacentes ou tangenciais? Em nossa Era não podemos fingir ingenuidade aceitando que técnica e conteúdo (conceito-ideologia) possam caminhar separados e ilesos. Nosso momento deve ser compreendido como a "Era Tecnoconceitual" e daí sim apresentar um manifesto da questão de o que se compreende por "LIVRE", "PÚBLICO" e "DIGITAL".

Voltamos à questão webtv >> a ampliação de bandas de transmissão de dados acarretará em um desenvolvimento em duas vias: o receptor torna-se também apto a ser um produtor-emissor das mensagens-manifestos em rede não somente nacional, mas global. Ou seja, pensar uma webtv com a possibilidade de construção de interfaces junto aos televisores-eletrodomésticos permite e avança na questão de uma política de acesso ao "verdadeiro" mundo digital para o 'povo brasileiro'. Acesso este a diferentes tipos de informação mediática que se encontram na World Wide Web. O sistema a ser criado é "puramente" um sistema-de-interfaces homem-máquina: transformar a relação do homem com a caixa preta. (...) Interfaces aqui compreendida não somente no âmbito virtual (2D/3D) mas também - e talvez principalmente neste momento de decisões sobre sistemas futuros de tv-digital no Brasil - num âmbito físico-estrutural.

A questão do programador - desenvolvedor de softwares -, portanto, não reside numa área puramente e de especificidade técnica. Uma webTV coletiva se pretende a discutir esta criação conjunta desta "interface-de-poder".

Vejo a World Wide Web como um "espaço público de mentes coletivas", portanto não podemos dispensar esta noção de meio (comunicação-vivência) - "conceito global e confuso" - que se "fragmenta segundo as especialidades (...) No entanto, o que é que reúne todos estes dados? um projeto, por outras palavras, uma estratégia."

"Um projeto - estratégia - formulado ao nível global normalmente desencadeia-se como fracasso ou sucesso; "...o fracasso (ou o sucesso) permite discernir o que existe de ideológico nas pressuposições... (...) as defasagens e distorções entre prática e teoria/ideologia (entre conhecimentos parciais e resultados) passam para o primeiro plano em lugar de se dissimularem. (...) a aplicação dos conhecimentos parciais dá resultados que permitem determinar a importância relativa destes conhecimentos; estes resultados, mostrando vazios e lacunas, permitem precisar experimentalmente, na prática, aquilo que falta." (H. Lefebvre, "O Direito aa Cidade")

Desta maneira iniciamos aqui uma centralização de produções (e testes)
midiáticas para que elas possam descentralizar-se futuramente, já que
temos historicamente provado que qq centralização perene tende a
transformar-se em regime totalitário. Tal descentralização é alcaçada a
partir do momento em que novos agentes-atores sociais são formados
(tecnoconceitualmente) em busca da abertura da "caixa-preta".

Volto a questionar, portanto: a quem pertencem estes "servidores em
rede"? Quem eh(sao) "o(s) cara(s)" por tras desta(s) "interface-de-poder"?

5. "software livre" X "open source"
prefiro o termo "open source", descreve melhor para mim a que veio este 'movimento', ou seja, a uma possível abertura da "caixa preta" (vide V. Flusser: "Filosofia da Caixa Preta").

Compreendo esta abertura relacionada tbem à questão da "propriedade de direitos", ou seja, o chamado 'copyleft' destina-se à liberação de referências produtivas-experimentadas para o desenvolvimento de diferentes e novas proposições-experimentos e realidades. Capacitando (transformando) a todos em possíveis programadores, ou seja, tentativas de estabelecer uma relacao alem "aparelho-operador" (usuario final), mas de conscientização da "vida programada" e atuação consciente nesta... (...)

...novamente me desculpem este compartilhamento de questoes, frases aas vezes mal-terminadas (pensamentos e indagacoes mil), mas espero q sejam uteis aas nossas discussoes em comum e q gerem algumas respostas e praticas co-relacionadas...
eh isto. []s e teh!

*a partir das constantes e seguidas transmissoes ao vivo da rua para a
internet e de experimentos a partir de um pqno estudio (c/ chromakey)
para a internet - acoes do projeto "MANIFESTE-SE..." - percebemos que qq
cidadao é capaz de fazer sua própria webtv.

Picture 17

versao2006/7 :: os primeiros testes da rua
apoio FIAT MOSTRA BRASIL

[trecho do rascunho nao-linear distribuido via email em maio/2007 para Almir Almas, Rogerio Borovik, Lucas Bambozzi, Jean Habib, Media Sana, Karine Batista, Leticia Capanema, Arlindo Machado, Giselle Beiguelman e outros interessados nas proposicoes do manifesto21, na criacao de uma rede de webTVs coletivas etc - em dez/2006 houve convite-proposta aos experts do chamado "software livre" com estudio comercial em SP para colaboracao na continuacao do desenvolvimento 'tecno-conceitual' no projeto "MANIFESTE-SE" no ambito de se criar uma rede open source de webTVs no Brasil, America Latina e exterior...]