MOBILE WEBTV LIVE BROADCAST BLOG SINCE 2006 : PUBLIC INFOS, WORKSHOPS & LECTURES [Asia, Brazil & Europe]

29mai/070

TV PÚBLICA / WEBTV COLETIVA? ou “A webtv é um caminho para além de um ‘sistema de tv digital’?” O que queremos?

"A discussão foi grande e a divisão de opiniões no início do mês não foi menos intensa, mas a cada novo desdobramento do debate fica claro que ainda falta um bocado para chegarmos a um consenso sobre o que entendemos por TV Pública.

...

Para começar, se a televisão é pública, significa que sua preocupação principal é com o público, ou seja, voltada para o interesse dos cidadãos e cidadãs deste país. Isto quer dizer, por exemplo, que uma tv pública deve priorizar a discussão, investigação e prestação de serviços sobre temas que fazem parte da agenda dos seus usuários.

...

Acontece que esta agenda de preocupações não coincide integralmente com as prioridades do governo e das emissoras comerciais, (...). Estas instituições, normalmente, estão mais preocupadas em formar opinião do que em escutar opiniões.

...

Nada contra o fato de o governo e as empresas terem seus interesses e sua agenda própria. O problema é que o público fica sem canais para expressar seus desejos e necessidades.

É justamente isto que começa a tornar-se a grande queixa da chamada sociedade civil e é aqui que se encontra o grande diferencial da uma TV de interesse social ou público.

Uma televisão publica deve obrigatoriamente ser independente, tanto em relação ao governo como em relação às empresas de comunicação social, porque só assim ela vai poder cumprir o seu papel.

...

Quem vai fazer esta televisão voltada para o cidadão e, principalmente, quem vai financia-la?

São duas perguntas cruciais..."
Postado por Carlos Castilho em 25/5/2007 às 12:42:07 AM

16mai/071

webTV & TV Pública

Ao consolidarmos as pesquisas e práticas das transmissões ao vivo da rua para a internet (destinadas ao projeto aqui em questão desenvolvido), percebemos a propriedade real (além-teórica) de uma webTV. A partir de então iniciamos contatos propositivos a algumas instituições na cidade de São Paulo que nos apoiassem não somente no quesito financeiro mas - e principalmente - nos quesitos espaços, audiência-participativa-produtora e servidores públicos (há cerca de 2 anos com tecnologia open-source).

Quesito espaços: infra-estruturas já existentes nestas instituições (salas-estúdios, computadores etc)

Quesito produção-participação: público frequentador destas instituições (e novos públicos) que fariam parte de oficinas de produção de vídeo e áudio e elaboração coletiva de um canal (e/ou rede de) televisão na web; acarretando assim na aprendizagem de sistemas-tecnologias de transmissão de dados e streaming (on demand & live)

Quesito servidores públicos: empresas-grupos ligadas(os) ao governo federal e software livre que possuem esta infra-estrutura*.

Desta maneira, ao pensarmos na questão de uma web-tv entram em discussão "outros" temas como: tv pública, tv digital (e sua prometida interatividade), diferentes plataformas de acesso-visualização (interfaces PCxTVsala), ampliação de bandas (sinais)... temas estes que já vêm sendo colocados e discutidos nas palestras ministradas junto ao projeto MANIFESTE-SE, tanto online (a 5a palestra será em início do próximo mês) quanto as presenciais (CCJ, PUC e SENAC).

Esta breve introdução neste tópico em nosso blog visa apresentar a seguir um artigo lido há poucas horas, no Observatório de Imprensa, que trata exatamente da questão da tv pública e que remete parte da discussão à web-tv e à situação das bandas de acesso à internet, portanto às discussões pertinentes ao projeto então proposto (continua abaixo).

<< A webtv pode mudar rumos do debate sobre a TV pública >>
"O debate sobre a TV Pública no Brasil passou ao largo de uma questão estratégica.

(...)

A briga pela alocação de canais no espectro digital tem a ver com o uso de faixas de transmissão, mais ou menos como é agora, só que com uma qualidade de imagem e amplitude de freqüências, muito maiores. Mas esta briga pode tornar-se inócua se os usuários decidirem ver televisão através de uma webtv, que é um site da internet que transmite programas de televisão. Qualquer um pode montar uma webtv sem ter que disputar uma freqüência concedida pelo governo.

(...)

Quando o usuário desejar interatividade, muito provavelmente vai para o seu computador, onde ele adota uma postura diferente do sofá da sala.

(...)

Quando se leva em conta todos estes fatores percebe-se que a discussão sobre canais digitais na verdade pode tornar-se inócua porque a ampliação da malha de banda larga para uso por computadores pode resultar tão ou mais importante do que toda a complicada divisão de freqüências entre emissoras de TV, grupos de comunicação, organizações da sociedade civil e governos.

Se o mesmo sinal que serve para fluxo de dados também pode ser usado para transmitir imagens de vídeo, então é preferível ampliar a rede de banda larga porque ela é estrategicamente mais importante na medida em que é uma alavanca de crescimento econômico.

Uma internet rápida, democrática e barata é essencial para a indústria, comércio, agricultura, ensino, pesquisa e setor de serviços. Mais ainda quando se sabe que a tendência no universo da comunicação é a convergência de meios, na qual a televisão acabará se combinando com a comunicação textual, com o rádio e com os sistemas interativos.

Ao pensar na televisão pública, não se pode deixar de lado este contexto, porque são grandes as possibilidades de que muitos dos pontos que hoje dividem opiniões tornem-se obsoletos com o avanço das tecnologias e a redefinição dos comportamentos do público.

Enquanto brigamos por freqüências, as empresas de telecomunicações e os conglomerados de comunicações monopolizam a rede de banda larga da internet e freiam a democratização deste espaço que é muito mais estratégico para o desenvolvimento do país e de todos nós."
(Postado por Carlos Castilho em 14/5/2007 às 10:33:10 PM, fonte: Observatório de Imprensa)

continuação >> Atualmente a 1a etapa desta oficina é ministrada na Zona Norte-SP desde abril deste ano - como parte do projeto MANIFESTE-SE / atividades complementares -, com previsão de término em junho próximo e esperança de continuidade deste projeto-oficina de produção de uma webTV livre e independente junto a parceiros convidados (previamente contactados a partir de dezembro-janeiro deste ano). Estamos também ampliando o leque de parceiros-produtores contactando pessoas e profissionais de outros estados do Brasil que tenham relação com a questão de produção midiática-televisão (mass-media). Alguns possíveis parceiros (já contactados) >> Karine Batista, Lucas Bambozzi, Milena Szafir (com projetos de educação-multimídia e práticas em live-streaming), Gabriel-Media Sana, entre outros.

Caso vc se interesse ou conheça alguém que possa ser um parceiro, por favor entre em contato conosco: manifestese@manifesto21.com.br

*nos últimos anos sub-utilizada frente a possibilidades reais como a criação de uma webTV pública, gratuita e livre (on demand & live-streaming)

16mai/070

RECICLAGEM#02 >> CROCQUIS PARA O CARRINHO MOTORIZADO

crocquis para o carrinho motorizado:
devido aos custos e adjacências no que diz respeito à 'interação' - acessibilidade e participação de todos - nas ruas, ainda estamos em processo - work in progress - destas opções motorizadas.

Aceitamos sugestões, críticas são bem vindas: participe!, FAÇA PARTE DESTA HISTÓRIA!

carrinho crocquis

MANIFESTE-SE [todo mundo artista] - ilha móvel audiovisual com transmissões ao vivo das ruas para a internet (2005/2007)